Den of Thieves (Covil de Ladrões) – 2018

Den of Thieves tenta buscar aproximação e inspiração em alguns clássicos de seu gênero, como Heat e Training Day. O filme dirigido pelo estreante Christian Gudegast, roteirista de London Has Fallen, apresenta boas cenas de ação mas é comprometido pela completa falta de estrutura narrativa. O roteiro, por mais que proponha uma história simples e “tradicional” no cinema, não consegue manter um nível aceitável de credibilidade, deixando que clichês acabem se desenrolando para sustentação da história.

Um grupo de assaltantes profissionais liderados por Ray (Pablo Schreiber) planeja assaltar a divisão da Reserva Federal dos EUA em Los Angeles, uma verdadeira fortaleza, sem deixar rastros. No entanto, um crime anterior acaba chamando a atenção do grupo de investigadores de “Big Nick” (Gerard Butler), que coloca a quadrilha como alvo.

Como entretenimento, Den of Thieves é uma opção aceitável por conta de suas duas cenas de tiroteios, realmente bem produzidas. Fora isso, apela para arcos secundários – que envolvem, por exemplo, a vida pessoal de Big Nick – que logo são deixados de lado, sem qualquer explicação.

Filmes de assalto a bancos são populares por mexer com o imaginário. Poucos saem da zona de conforto (por este motivo menciono o excelente Hell or High Water) e o plano perfeito e brilhante para roubar dinheiro geralmente apresenta poucos erros. Com isso, o desenvolvimento do filme fica atrelado apenas ao desenvolvimento e execução deste. Em Den of Thieves, temos dois grupos que tentam provar sua inteligência e perspicácia a todo custo – fato que se torna chato com o passar dos minutos, quando a trama acaba comprometida por este duelo personalista de sabedoria entre Ray e Big Nick – fora os diversos furos na história.

A produção conseguiu bons resultados de bilheteria e deve retornar ao cinema com uma sequência em breve, já que deixou espaço para tal.

NOTA: 5/10

IMDb

Comments

comments

Deixe uma resposta