Oscar 2020 – Primeira prévia

Pode parecer cedo para discutir sobre a próxima temporada de premiações, mas o fato é que as distribuidoras trabalham ativamente para posicionar, negociar e balancear a janela de lançamentos (entre outubro e dezembro). A partir disso, essa primeira prévia busca apresentar ao leitor as principais apostas de cada distribuidora.

É bom lembrar, no entanto, que o posicionamento e marketing forte de um filme não conta nada se o mesmo não apresenta qualidade suficiente. Vox Lux e The Front Runner foram exemplos disso no último ano.

NOTA: todas as informações publicadas abaixo foram conferidas no dia 26 de março de 2019 – portanto passíveis de mudanças ao longo do ano.

A24 – Para evitar perdas por conta da competição na janela do Oscar, as grandes apostas da A24 terão lançamento ao longo do ano. Gloria Bell foi lançado em março. Destaque em Sundance, The Farewell chegará no verão estadunidense. Mas a grande expectativa do estúdio é com The Souvenir, que terá lançamento em maio e forte promoção nos Estados Unidos.

Amazon – a gigante, até agora, conta com uma grande aposta: The Report, que foi muito bem recebido em Sundance, com muitos elogios para Adam Driver. Provavelmente será encaixado para um lançamento no final do ano.

Blecker Street – Sem nenhum posicionamento relevante até o momento da escrita deste artigo.

Disney – Como de costume, deve investir na campanha de todos seus lançamentos – garantindo no mínimo nomeações técnicas. A lineup de 2019 é a mais forte da história, e o aguardado Toy Story 4. Por conta do fechamento da Fox 2000 – a Disney aproveita The Woman in the Window (lançamento em outubro) – ainda com indecisão de qual bandeira irá carregar.

Focus – No último ano teve um exponencial crescimento no marketing para o Oscar- mas apenas obteve sucesso com Blackkklansman. Ainda não definiu sua estratégia pra 2019: Dry Run, de Todd Haynes e Harriet – ambos sem data de lançamento – podem ser surpresas. Por enquanto apenas Downton Abbey tem data fixa (setembro).

Fox – Ninguém esconde que a aposta principal seria Ad Astra, de James Gray. Mas fica a dúvida: se é tão bom como dizem, por qual motivo, então, este filme seria lançado em janeiro de 2019? Após uma negociação com a Disney, o lançamento será em maio (Brasil e EUA).  A Fox posicionou na janela do Oscar, no entanto, Ford v. Ferrari (novembro nos EUA).

Fox Searchlights – A divisão independente da FOX resistirá em 2019 – mesmo após a compra da Disney – ainda que seu futuro seja motivo de controvérsia nos EUA. Aquisições serão feitas nos próximos meses, mas até agora o filme com maior expectativa éLucy in the Sky, estrelado por Natalie Portman.

Lionsgate – tentando seguir na mesma linha polêmica de Vice, a Lionsgate investiu muito em Fair and Balanced, sobre as polêmicas em torno de Roger Ailes, da Fox News. A distribuidora deixa claro que este é o seu grande filme de 2019.

Neon  – Após um péssimo desempenho na última temporada de premiações (conseguiu uma inesperada nomeação para Border) – a Neon fará grande esforço para conquistar o Oscar de melhor documentário com Apollo 11 (lançado em março nos EUA). É provável que Clemency, que conquistou o prêmio do juri em Sundance, seja a carta para a janela do Oscar.

Netflix – Após a traumática derrota de Roma na categoria de melhor filme no último Oscar, a gigante do streaming terá mais um ano com fortes concorrentes. É óbvio que The Irishman, de Scorsese, é o mais aguardado da temporada. Outros dois nomes devem receber forte campanha: The Last Thing He Wanted, de Dee Rees e The Laundromat, de Steven Soderbergh – com muita expectativa para a atuação de Meryl Streep. . Por fim, caso estreie ainda em 2019, The Pope pode ser uma boa surpresa.

Paramount – A gigante Paramount mudou drasticamente seu posicionamento e sua cartilha de investimentos nos últimos anos. Ao invés de competir na janela do Oscar, seu foco agora é explorar grandes franquias e fazer o marketing de lembrança na temporada de premiações. Gemini Man, de Ang Lee, é a aposta do ano – mas o cuidado deve ser redobrado, especialmente por tentar antecipar o começo da temporada. O caso de A Star is Born, no último ano, deve servir de exemplo.

Sony. Três grandes filmes. Once Upon a Time in Hollywood chega em julho nos EUA (agosto no Brasil) – e terá uma campanha no Oscar para lembrar o potencial do longa. Little Women, de Greta Gerwig, tem recebido muitos elogios nos bastidores – e terá lançamento em dezembro (a estreia no Brasil está marcada para fevereiro de 2020). Por fim, A Beautiful Day in the Neighborhood, estrelado por Tom Hanks, parece um nome muito sólido para a categoria de melhor ator (estreia em novembro nos EUA e em janeiro no Brasil).

Sony Classics – A divisão de filmes independentes e estrangeiros da Sony desistiu de All Is True, de Kenneth Branagh após a péssima impressão no Reino Unido. Até agora o único grande lançamento é Dolor y gloria, novo filme de Almodovar que será lançado em novembro nos EUA. No Brasil o longa tem distribuição da Universal e chegará em junho. Mas é provável que a Sony faça compras em Cannes – que pode aumentar a lista de apostas ao longo do ano.

STX – Não conseguiu indicação com nenhum filme ano passado – mas aposta na relevância temática de The Best of Enemies (abril nos EUA) para fazer a campanha de lembrança para o Oscar.

United Artists – Conforme explicado no meu vídeo publicado no Youtube – a Annapurna mudou sua estratégia de distribuição e assinou um acordo com a MGM para resgatar a histórica marca United Artists – que completa seu centenário neste ano. Para evitar os prejuízos extremos da última temporada, a UA posicionou seu grande filme do ano Where’d You Go Bernadette, de Richard Linklater para o verão estadunidense (9 de agosto). Distribuição brasileira será da Imagem Filmes e chegará na primeira semana de setembro com o título Cade Você, Bernadette?

Universal – ano cheio para a Universal! Provavelmente, seguindo o modelo de Get Out, Us receberá forte marketing e campanha de lembrança. Além disso, dois filmes estão programados para lançamento no final da janela do Oscar, o que indica forte expectativa: 1917, de Sam Mendes, e Cats, de Tom Hooper. Teremos uma definição do grande nome da Universal apenas na época dos festivais, mas Queen & Slim (lançamento em novembro) – pode despontar como grata surpresa.

Warner – O lançamento de The Goldfinch em setembro (fora do padrão da distribuidora) coloca em dúvida o status do filme no Oscar. Caso não faça uma aquisição pontual, The Good Liar, de Bill Condon pode ser o grande candidato.

Deixe uma resposta