The Sisters Brothers – 2018

Não é novidade: poucos produtores estão interessados no gênero western e poucos distribuidores apostam no mesmo. Cria-se, a partir disto, uma expectativa enorme em torno dos raros longas lançados anualmente que se aventuram em um gênero que meio século atrás consolidava-se como o favorito dos estadunidenses e dos italianos. The Sisters Brothers, embora não pareça, foi um ousado projeto do diretor Jacques Audiard e da Annapurna baseado no livro homônimo de Patrick deWitt. Um sucesso poderia ser um ponto positivo para o resgate do velho oeste; um fracasso, por sua vez, apenas deixaria claro que o gênero não é interessante na era atual.

Oregon, década de 1850. Charlie Sisters (Joaquin Phoenix) e seu irmão, Eli (John C. Reilly) trabalham como atiradores de um oligarca local, mantendo a ordem no território. O próximo alvo da dupla é o químico Hermann Kermit Warm (Riz Ahmed), que, por sua vez, acaba sendo protegido pelo também atirador John Morris (Jake Gyllenhaal). Os irmãos logo descobrem que Warm confeccionou uma fórmula para detectar ouro nos rios – algo revolucionário no contexto da febre do ouro.

Audiard, é verdade, parece se aproximar de uma espécie de anti-western ao rejeitar promover os irmãos Sisters como anti-heróis, tão comuns, por exemplo, no filmes de Clint Eastwood. Da mesma forma, a condução do longa privilegia a parceria entre os irmãos, que permite uma clara divisão entre desejos e interesses da dupla.

Com mais de duas horas de duração, o filme apresenta certos problemas para conseguir alinhar a narrativa ao clímax final – muito pelo fato de alongar inexplicavelmente um punhado de cenas que pouco acrescentam na experiência final.

The Sisters Brothers, em suma, é um filme simpático. Atuações boas, personagens interessantes e de fácil caracterização – linhas de diálogos que aproveitam ao máximo o humor negro do livro base e fotografia inspirada. Seria isso, portanto, uma notícia boa? Infelizmente não. Os resultados de bilheteria foram péssimos nos Estados Unidos – o filme arrecadou menos de um terço de seu custo total e dependerá de um contrato extra de distribuição em alguma plataforma de streaming para amenizar as perdas – já que o mercado internacional dificilmente arriscará um título destes. Péssimo para quem é fã de western – que continuará dependendo de séries.

NOTA: 7/10

IMDb

Deixe uma resposta