Nomeados ao Oscar 2017 – Lista completa com crítica de todos os filmes

A Academia anunciou na manhã desta terça-feira (24/01) as nomeações ao Oscar 2017.  Seguindo a cobertura anual que realizo aqui no site, abaixo faço comentários sobre cada categoria. Destaque absoluto para La La Land, que iguala o recorde de Titanic  e All About Eve com 14 nomeações.

Melhor filme:
Arrival
Fences
Hacksaw Ridge
Hell or High Water
Hidden Figures
La La Land
Lion
Manchester by the Sea
Moonlight

Comentários: Sem dúvida alguma a disputa este ano será entre Moonlight e La La Land. A Academia já deu a prova que amou o musical, mas a corrida é longa e envolve uma série de fatores (como a influência da premiação dos sindicatos) que só poderão ser esclarecidos em fevereiro. Acertei todos os indicados – e a lista de nove filmes contém um grande esnobe.

Esnobes: Silence, de Martin Scorsese ficou de fora. Durante a corrida do Globo de Ouro e dos sindicatos o filme foi prejudicado pela estratégia da Paramount de esperar até o lançamento oficial no Vaticano para começar a enviar os screeners. No Oscar, pensava-se a justiça seria feita. Como escrevi na minha crítica do filme, uma série de pequenos detalhes acabam interferindo na balança do filme, que apresenta problemas de produção e roteiro. Jackie também ficou de fora, mas diria que não chegou a ser uma surpresa, já que parte da Academia entendeu que Larraín fez propaganda gratuita para a família Kennedy.

Melhor diretor:
Denis Villeneuve, Arrival
Mel Gibson, Hacksaw Ridge
Damien Chazelle, La La Land
Kenneth Lonergan, Manchester by the Sea
Barry Jenkins, Moonlight

Comentários: Muito bom ver que Mel Gibson fez as pazes com a Academia, após uma década recheada de polêmicas. Seu trabalho em Hacksaw Ridge é muito bom! A disputa, no entanto, permanece entre La La Land (Chazelle) e Moonlight (Jenkins)

Esnobes: Scorsese, mais uma vez, deixando claro que nem sua assinatura foi capaz de tornar Silence apto a disputa de um grande prêmio no Oscar. Denzel Washington também foi esnobado por Fences – mas a categoria estava recheada de nomes de alto nível.

Melhor ator:
Casey Affleck, Manchester by the Sea
Andrew Garfield, Hacksaw Ridge
Ryan Gosling, La La Land
Viggo Mortensen, Captain Fantastic
Denzel Washington, Fences

Comentários: Mais uma categoria que acertei todos os indicados. Casey Affleck é o franco favorito pela maravilhosa atuação em Manchester by the Sea, o melhor filme de sua carreira. Gosling corre por fora. Muito bom ver o reconhecimento para Mortensen, com um pequeno filme independente que deu a chance para ele brilhar mais uma vez na tela do cinema.

Esnobes: Acredito que os cinco melhores atores desta temporada foram reconhecidos com nomeações. Muitos apostaram em Hanks, por Sully e em Gyllenhaal por Nocturnal Animals. A grande confirmação mesmo é o fracasso absoluto de The Founder, que teoricamente colocaria Michael Keaton como favorito em sua categoria.

Melhor atriz:
Isabelle Huppert, Elle
Ruth Negga, Loving
Natalie Portman, Jackie
Emma Stone, La La Land
Meryl Streep, Florence Foster Jenkins

Comentários: Sem dúvida a categoria mais controversa dessa lista. Considero que seis atrizes teriam condições plenas de indicação ao Oscar: além das cinco citadas, Amy Adams (Arrival) também aparecia na disputa. A Academia tem uma certa coerência na indicação de melhor atriz: quando Meryl Streep tem destaque, ela ganha uma nomeação. Mesmo que Florence tenha enfrentado resistência, estamos falando da melhor atriz de sua geração. Quando existe um claro destaque no cinema estrangeiro, a Academia também reconhece. Muitos acreditavam que Huppert não seria indicada por Elle pelo fato do filme ter sido esnobado da pré-lista do Oscar de longa estrangeiro. Como sempre ressalto, cada branch têm sua determinada composição – e o de língua estrangeira é o mais conservador de todos. Então Adams disputava de fato uma vaga com outras três atrizes de alto calibre: Portman teve Jackie feito apenas para ela; A nomeação de Stone nunca deixou de ser uma certeza. Pensava que Ruth Negga corria por fora, mas não foi este o caso.

Melhor ator coadjuvante:
Mahershala Ali, Moonlight
Jeff Bridges, Hell or High Water
Lucas Hedges, Manchester by the Sea
Dev Patel, Lion
Michael Shannon, Nocturnal Animals

Comentários: Também acertei em cheio essa categoria. Os quatro nomes iniciais entraram nas listas de sindicatos e de grupos de críticos. A última vaga seria de Shannon, de Aaron Taylor-Johnson ou de Hugh Grant. Considerei que a vitória de Johnson no Globo de Ouro foi exagerada – e tinha certeza de que se o filme de Tom Ford entrasse na categoria, seria com Shannon. Grant foi brilhante, mas Florence não era sério o suficiente para a Academia levar em conta seu trabalho (exceção apenas para a regra Streep).

Melhor atriz coadjuvante:
Viola Davis, Fences
Naomie Harris, Moonlight
Nicole Kidman, Lion
Octavia Spencer, Hidden Figures
Michelle Williams, Manchester by the Sea

Comentários: Também acertei todas as indicadas. Viola Davis é a protagonista de Fences, mas o trabalho de promoção do estúdio para enquadrar na categoria secundária fez efeito, considerando a dificuldade da categoria principal.

Esnobes: 20th Century Women e Other People apresentam boas atrizes que poderiam ter entrado sem problemas nessa disputa.

Melhor roteiro original:
Hell or High Water
La La Land
The Lobster
Manchester by the Sea
20th Century Women

Comentários: Geralmente a categoria de melhor roteiro original é mais fácil de se prever do que a de roteiro adaptado. Este ano ocorreu o contrário. Hell or High WaterLa La Land e Manchester by the Sea eram consensos, mas as duas vagas poderiam ir para qualquer outro filme. Ótimo ver o reconhecimento para Yorgos Lanthimos (realmente foi uma surpresa para mim).

Esnobes: I, Daniel Blake, Jackie e Captain Fantastic

Melhor roteiro adaptado:
Arrival
Fences
Hidden Figures
Lion
Moonlight

Comentários: Só não esperava Hidden Figures na lista (muito por acreditar cegamente na assinatura de Scorsese em Silence).

Esnobes: Nocturnal Animals.

Melhor fotografia:
Arrival
La La Land
Lion
Moonlight
Silence

Comentários: mencionei na minha crítica que o trabalho de Rodrigo Prieto é fundamental para entender a análise iconográfica proposta em Silence. Merecido!

Esnobe: Jackie 

Melhor edição:
Arrival
Hacksaw Ridge
Hell or High Water
La La Land
Moonlight

Comentários: surpreso por ver Hell or High Water no lugar de Manchester by the Sea. Fora isso, a categoria pode ser renomeada para “Melhor edição: filmes com chances reais de Oscar”:

Melhores efeitos visuais:
Deepwater Horizon
Doctor Strange
The Jungle Book
Kubo and the Two Strings
Rogue One: A Star Wars Story

Esnobes: Fantastic Beasts and Where to Find Them e Arrival.

Melhor design de produção:
Arrival
Fantastic Beasts and Where to Find Them
Hail, Caesar!
La La Land
Passengers

Comentários: da série absurdos do Oscar I: deixar Silence e Jackie de fora para colocar Passengers.

Melhor figurino:
Allied
Fantastic Beasts and Where to Find Them
Florence Foster Jenkins
Jackie
La La Land

Melhor maquiagem e cabelo:
A Man Called Ove
Star Trek Beyond
Suicide Squad

Comentários: Categoria extremamente técnica.

Esnobe: Hail, Caesar!

Melhor trilha original:
Jackie
La La Land
Lion
Moonlight
Passengers

Comentários: da série absurdos do Oscar II: o trabalho fantástico de Michael Giacchino em Rogue One ficou de lado para Passengers (!?!?!?) entrar na disputa.

Esnobe: Rogue One. Vários outros filmes tiveram trilha melhor do que Passengers, Cito Nocturnal Animals, Hell or High Water, Kubo and the Two Strings e The Jungle Book.

Melhor canção original:
“Audition (The Fools Who Dream),” La La Land
“Can’t Stop the Feeling,” Trolls
“City of Stars,” La La Land
“The Empty Chair,” Jim: The James Foley Story
“How Far I’ll Go,” Moana

Comentários: ótima seleção! City of Stars é a favorita absoluta.

Melhor edição de som:
Arrival
Deepwater Horizon
Hacksaw Ridge
La La Land
Sully

Comentários: Sully realmente não agradou a Academia. Nomeação apenas em uma categoria pequena.

Melhor mixagem de som:
Arrival
Hacksaw Ridge
La La Land
Rogue One: A Star Wars Story
13 Hours: The Secret Soldiers of Benghazi

Esnobe: Sully

Melhor animação:
Kubo and the Two Strings
Moana
My Life as a Zucchini
The Red Turtle
Zootopia

Comentários: My Life as a Zucchini não é nenhuma surpresa – e a repercussão em Hollywood foi tão positiva que até cheguei a considerar que o filme faria história e conseguiria também a nomeação ao Oscar de longa estrangeiro. Kubo Zootopia aparecem como favoritos.

Esbobe: Finding Dory.

Melhor documentário:
Fire at Sea
I Am Not Your Negro
Life, Animated
O.J.: Made in America
13th

Comentários: Lista com quatro nomes previsíveis e fortes.

Esnobe: Mas não entendo como a Academia deixou de fora Weiner para colocar Life, Animated. Beira o ridículo.

Melhor filme estangeiro:
Land of Mine
A Man Called Ove
Forushande
Tanna
Toni Erdmann

Comentários: Lista que mostra as várias faces do branch de longa estrangeiro. Tanna mostra que a Academia está seguindo o modelo de reservar uma vaga para uma produção que contém uma proposta narrativa original e específica (foi assim com El abrazo de la serpiente, no último ano e com Timbuktu (2015) e L’image manquante (2014). A surpresa mesmo ficou com a nomeação de A Man Called Ove, uma comédia, que ressalta ainda mais a qualidade do cinema nórdico, com dois indicados.

Esbobes: Paradise. Imperdóavel ver Andrey Konchalovskiy fora da disputa.

Melhor documentário (curta):

Extremis

4.1 Miles

Joe’s Violin

Watani: My Homeland

The White Helmets

Melhor curta:
Ennemis intérieurs
La Femme et le TGV
Silent Nights
Sing
Timecode

Melhor curta de animação:
Blind Vaysha
Borrowed Time
Pear Cider and Cigarettes
Pearl
Piper

Comments

comments

Deixe uma resposta