Saul Fia (O Filho de Saul) – 2015

Saul Fia (O Filho de Saul) entrará para a história do cinema. Não apenas como vencedor do Oscar de sua categoria em 2016, mas também por ser um dos filmes mais impactantes já criados sobre o Holocausto. Após oito anos de pesquisa sobre o tema, o diretor László Nemes leva ao cinema uma história extremamente dolorosa, que capta a atenção do espectador desde o primeiro segundo, tanto pela riqueza de detalhes quanto pela incrível ambientação.

Outubro de 1944: a Alemanha Nazista perde território e passa a acelerar a Solução Final. Géza Röhrig interpreta Saul, membro do Sonderkommando, unidade do campo de extermínio de Auschwitz encarregada pelo trabalho braçal (limpeza das câmeras de gás, abastecimento das fornalhas, limpeza, construção, etc.). Um menino consegue sobreviver ao gás, e Saul enxerga nele seu filho (uma ótima questão que dá liga ao roteiro). O médico encarregado sufoca o menino e ordena sua autópsia, mas Saul luta para encontrar um rabino e enterrar o menino antes que ele caia nas mãos dos nazistas.

A primeira cena – inesquecível pela forma como é apresentada – mostra a ousadia do diretor. Enquanto boa parte dos cineastas deixariam uma cena na câmara de gás como um clímax dramático, nesta produção ela funciona como uma espécie de nivelamento. Desde o primeiro segundo, tomamos conhecimento de que o pior pode acontecer. Nemes posiciona sua câmera diante Saul – o que faz o público acompanhar a realidade de Auschwitz através de seus olhos. Também é relevante notar o quanto o filme consegue fazer discussões secundárias com o cotidiano do campo (guardas corruptos, busca pelo ouro, intrigas, alianças, vaidades). Em certa escala, portanto, cada cena de O Filho de Saul pode ser explorada a partir de uma dura visão sobre o sofrimento, que, por sua vez, é a chave para o público, mas é algo que já passa batido aos membros do Sonderkommando, acostumados com execuções (seja por gás ou por fuzilamento). A frieza de Saul é apenas uma dos fatores do sucesso deste longa, mas é ela que causa intriga.

O menino seria ou não filho de Saul? A resposta para essa pergunta pode ser encontrada a partir da análise da formação do diretor. Como bom aluno de Béla Tarr, o diretor envolve seu filme em torno dessa questão, que pode parecer óbvia para alguns, mas é motivo de conflito para outros. A criança é uma conexão do protagonista com seu contexto. Ele não é o filho de Saul, mas um menino que, devido a seu sofrimento, capta a atenção em meio ao ambiente obscuro apresentado. Neste sentido Nemes aposta não só na narrativa, mas em tudo o que envolve o longa para oferecer uma visão apurada do Holocausto.

O Filho de Saul deve ser obrigatório – não apenas aos amantes de cinema – mas também aos professores de história. É um longa com um poder tão grande quanto Come and See (inspiração para a cena final) – mas que deve ser bem mais popular por conta de seu grande sucesso.

NOTA: 9/10

IMDb

Comments

comments

2 comentários em “Saul Fia (O Filho de Saul) – 2015

Deixe uma resposta