Magic Mike – 2012

Horas após Matthew McConaughey vencer o Oscar de melhor ator, comecei a recapitular sua carreira. Como já citei aqui no site anteriormente, seu grande boom em Hollywood começou com a dark comedy Bernie, em 2011. De la pra cá, ele venceu e foi indicado para dezenas de prêmios por todos os longas em que participou. Desta lista, faltava assistir Magic Mike. Me lembro que na época de seu lançamento o filme gerou certa discussão quanto a caracterização dos strippers masculinos na tela do cinema.

Festas, dinheiro, mulheres e drogas. Dallas (McConaughey) é dono do Kings of Tampa, uma casa de strip-tease voltada para o público feminino. Na lista de seus empregados, Mike (Channing Tatum) é a grande esperança de seu chefe para a tão sonhada mudança para Miami. Mas diferentemente de Dallas, Mike não pensa somente no dinheiro:  ele atua como stripper apenas para conseguir juntar uns trocados com o objetivo criar seu próprio negócio. Seu sonho é poder ter uma atividade fixa e um salário razoável sem ter que depender do seu corpo. Certa noite Adam (Alex Pettyfer) o acompanha para um show de strip e é convidado a atuar. Após receber a aprovação do público feminino, Mike decide ser o tutor do garoto. Com a progressão da amizade entre os dois, Mike se apaixona por Brooke (Cody Horn), irmã de Adam que não aprova o novo emprego de seu parente.

A escolha de Channing Tatum para interpretar o papel principal foi exigência do diretor Steven Soderbergh. Poucos sabem, mas antes do ator se tornar astro em Hollywood, ele trabalhou por um tempo em uma casa de shows de strip. Infelizmente o filme peca por se perder nas várias histórias paralelas apresentadas ao espectador, que variam desde o romance de Mike e Brooke até um caso de venda de drogas (muito mal explorado, por sinal). A atuação de McConaughey é muito boa, mas não é o suficiente para esconder a falta de carisma dos personagens principais. As várias atuações dos Reis de Tampa não são articuladas com o roteiro.

Logo que o filme terminou, não pude deixar de pensar na minha teoria sobre as últimas produções de Steven Soderbergh: desde Che (2008), ele passou a apelar demais para o melodrama e para histórias com voltadas para um público muito restrito. Parece que o diretor deixou para trás aquele toque de inteligência apresentado na série de filmes de Danny Ocean ou de Traffic, por exemplo. Apesar do filme dividir os críticos americanos, o longa conseguiu certo sucesso nas bilheterias. Aliás, até a continuação já foi confirmada: as filmagens para Magic Mike 2 irão começar ainda em 2014 e o lançamento deve ocorrer na metade do próximo ano.

NOTA:5/10

IMDB

Comments

comments

Deixe uma resposta