Ballada o soldate (A Balada do Soldado) – 1959

Devido a Guerra Fria, de 1946 até 1963 a União Soviética decidiu não enviar submissões para o Oscar de melhor filme estrangeiro. Pelas regras da Academia, um filme estrangeiro só poderia ser indicado e premiado com o Oscar após a aprovação do país em que o longa foi realizado. No ano de 1959, os produtores de Ballada o soldate (A Balada do Soldado, no Brasil) não conseguiram convencer o comitê cinematográfico da União Soviética a indicar o longa ao Oscar, muito por conta da turbulenta relação entre o presidente americano Dwight D. Eisenhower e Nikita Khrushchev.

A Academia não deixou de perceber a grandiosidade deste filme, e lhe indicou ao Oscar de melhor roteiro original. Caso tivesse recebido nomeação para o Oscar estrangeiro, Ballada o soldate seria um sério candidato para levar o prêmio de Såsom i en spegel (Através de um Espelho, de Ingmar Bergman), que, para falar a verdade, só venceu esta categoria pois a Academia de cinema da Itália decidiu submeter La Notte, de Michelangelo Antonioni ao invés de La dolce vita, de Federico Fellini.

Dirigido por Grigory Chukhray, um veterano soldado da Segunda Guerra Mundial, o longa segue a história de Alexei Skvortsov (Vladimir Ivashov), um jovem soldado que ganha o status de herói de seu batalhão após explodir dois tanques de guerra da Alemanha no front. Ao invés de receber uma promoção e uma condecoração por seu feito heróico, Alexei pede para o general encarregado de sua região apenas alguns dias de folga para poder concertar o telhado de sua mãe, destruído em um ataque aéreo. Boa parte do filme se passa dentro de um vagão de trem, onde acontece a tal balada do soldado. Ao atravessar a Rússia, ele vê fome e doenças. Sem perspectiva para o fim do confronto, ele faz amizade com Shura (Zhanna Prokhorenko), uma mulher que diz estar a caminho do hospital onde seu marido está internado.

Apesar do filme mostrar uma história da Segunda Guerra Mundial com teor melodramático (fechando com a proposta do cinema soviético da época), o diretor deu muita atenção a construção de seu personagem protagonista, explorando sua coragem e seus medos. O jovem é representado como apenas uma das milhares vidas perdidas na guerra. Ele poderia ser um engenheiro, um médico, mas preferiu defender sua pátria e morrer por ela. Esta mensagem, com certo teor de propaganda, garantiu recursos para o diretor financiar seu projeto. Ainda assim, o desenrolar da história é suave e elegante.

 NOTA: 7/10

IMDB

Comments

comments

Deixe uma resposta